terça-feira, 12 de abril de 2011

As grandes bandas Inglesas dos anos 60 - The Hollies

Os Hollies, foram formados em Manchester na Inglaterra em 1962 pelos amigos de infância, Allan Clarke e Graham Nash. Durante vários anos, formaram um duo semi-profissional, que actuou de uma forma constante, no circuito de bares e saões de baile da área metropolitana de Manchester, e arredorres, usando uma série de nomes tais como, Guytones, Two Teens, Ricky e Dane.

Com a entrada de Eric Haydock e Don Rathbone, passaram a chamar-se The Fourtones e depois, The Deltas. Só após o recrutamento de Tony Hicks, guitarrista dos uma banda chamada The Dolphins, é que acabaram por fixar o nome em The Hollies.Comentava-se, na época, que o nome teria sido escolhido em homenagem ao falecido Buddy Holly, mas esse rumor foi depois desmentido, e explicado pelos elementos da banda. O nome The Hollies, foi escolhido em casa de Graham Nash, no Natal de 1962, enquanto eles se divertiam, fazendo a "Christmas holly decoration"- decoração santa de Natal, tradução livre.

Á semelhança dos Beatles, assinaram com a Parlophone, o que era uma mais valia na época. Os seus dois primeiros singles foram covers de temas do grupo americano, The Coasters "(Ain't That) Just Like Me ", e " Searchin'''. Ambos, alcançaram lugares de destaque nos Tops, nas listas de vendas, originando a gravação do primeiro álbum. Ao mesmo tempo, Rathbone deixa o palco, para se tornar no "road manager" do grupo e foi substituído por Bobby Elliot, que era o baterista de Shane Fenton And The Fentones.

Embora os seus primeiros singles tenham lançados em 1963, os Hollies não foram capazes de "apanhar" a primeira onda da British Invasion, histeria que começaria um ano depois.

Uma vez encontrado o seu verdadeiro nicho estilístico em 1964, lançaram, "Here I Go Again", com vocais harmoniosos, que viriam a ser a marca registada dos Hollies,"I'm Alive" e "'Look Through Any Window", hits que vieram para ficar.

Em 1966, entra Bernie Calvert substituindo Eric Haydock no baixo, e são lançados "Bus Stop" e "Stop Stop Stop" tiros certeiros que os colocam no Top Ten dos USA.

As excelentes performances ao vivo em toda a Grã-Bretanha, cimentaram a reputação da banda, que viria a ter uma das mais longas e bem sucedidas carreiras na história da pop britânica.

Os seus dois primeiros álbuns continham a maior parte dos sucessos, que faziam as delicias dos seus fãs, que assistiam ao vivo, á actuação harmoniosa e ritmada deste quinteto de Manchester.
De 1963 a 1974, e sua popularidade quase rivalizava com a dos Beatles e dos Rolling Stones. Temas como, "Doris Troy", "Just One Look", "Here I Go Again", e o sublime, '"es I Will", continham os ingrdientes que distinguiam o Hoolies de todas as outras bandas da época.

As vozes da Clarke, Nash e Hicks combinavam excelentemente, para produzir um dos sons mais característicos ouvidos em toda a música popular. Á medida que a sua carreira progrediu, o trio desenvolveu igualmente uma capacidade de composição forte, que é responsável pela maioria dos seus hits, sob o pseudônimo de L. Ransford.

"The Hollies" álbum de 1965, mostra os seus talentos a desabrochar com "Too Many People", uma canção que alertava para o excesso de população mundial, fenómeno, que começava a fazer-se sentir.

O seu primeiro número um no Reino Unido, veio em 1965 com "I'm Alive" e foi seguido por, "Look Through Any Window", um tema ligeiro composto por Graham Gouldman. No Natal de 1965, o grupo sofreu a sua primeira escorregadela, ao gravar"If I Needed Someone" de George Harrisno, que ao ser comparada com o original dos Beatle, ficava muito áquem das expectativas quer dos fãs, quer da critica em geral. Ficou abaixo do Top20, e foi um verdadeiro flop comercial dada a fraca interpretação dos Hollies.

No início de 1966, o grupo alcançou o seu segundo número um com, "I Can't Let Go", que liderou a tabela do New Musical Express ao lado de, "The Sun Ain't Gonna Shine Anymore ", dos Walker Brothers. "I Can't Let Go", co-escrito por Chip Taylor, já tinha sido incluido no álbum do ano anterior "The Hollies", e foi uma de suas melhores gravações, combinando harmonias perfeitas com alguns solos, riffs, de guitarra, excepcionalmente fortes.

O mal-humorado e problemático Eric Haydock foi convidado a sair em Abril de 1966, sendo substituído pelo ex-colega Calvert dos Dolphins.

O sucesso da banda continuou inabalável, e seguiram-se uma série de hits, escritos sobretudo por Graham Gouldman. "Bus Stop", o exótico "Stop! Stop! Stop!" e os mais 'vigoroso' 'On A Carousel ", todos Top 5, em Inglaterra, e finalmente, grandes hits nas listas de vendas dos USA.

The Hollies, assimilaram, e foram assimilados pelo movimento "flower power", como uma sensação mais progressista, e o seu álbum, "For Certain Because", e logo depois o "Evolution", mostravam nos temas, a filosofia que o grupo havia adoptado,do tipo, "make love, not war", aparecendo vestidos com kaftans e camisas muito floridas.

Nesse mesmo ano (1967) o lançamento do excelente "Butterfly" mostrou sinais de descontentamento, de aceitação, por parte dos seus fãs, que eram mais pop,e não tinham ainda compreendido o "flower power", importado do outro lado do Atlântico.

Inexplicavelmente, o álbum não conseguiu entrar nas listas dos mais vendidos, tanto no Reino Unido como nos USA, tendo marcado o aparecimento de dois tipos distintos de canções compostas pela equipe anterior mente unida de Nash / Clarke / Hicks. Por um lado, houve, "Charley And Fred", tema com forte influência de Clarke, e por outro, "Butterfly", com a assinatura obvia de Nash, que teve um percurso mais ambicioso.

O seu estilo era totalmente destacado do estilo dos restantes elementos da banda como prova o exemplar "King Midas In Reverse", uma canção imaginativa com um arranjo muito forte de metais e cordas. Foi, no entanto, e para os padrões dos Hollies, um surpreendente fracasso. Atingiu apenas, a 18ª posição nas tabelas.

No ano seguinte, 1968, durante as negociações de uma proposta para a gravação de um álbum chamado "The Hollies Sing Dylan", Nash anunciou a sua saída para formar o, Crosby, Stills e Nash.

O seu substituto foi Terry Sylvester dos Escorts. Clarke ficou devastada pela partida do seu amigo de mais de 20 anos e depois de mais sete hits, incluindo o "He Ain't Heavy He's My Brother", Clarke decidiu partir para uma carreira a solo. A banda seguiu em frente com a contratação, no mínimo estranha, do sueco Mickael Rickfors, para o seu lugar.

Nos USA, "Long Cool Woman (In A Black Dress)", mesmo com um milhão de vendas, falhou por pouco para o primeiro lugar, irônico também porque Allan Clarke foi o vocalista neste número retirado do álbum de grande sucesso "Distant Light '. Clarke voltou depois de gravar dois álbuns muito fracos. O retorno foi comemorado com o hit mundial, "The Air That I Breathe", composto por Albert Hammond.

Nos cinco anos seguintes, The Hollies actuaram nos circuitos dos cabarés, e super clubes, mas os seus espectáculos foram diminuindo. Apesar dos seus álbuns serem bem produzidos, foram em grande parte desinteressantes e venderam muito pouco.

Em 1981, Sylvester e Calvert e deixaram o grupo. Adivinhando os problemas que se aproximavam, a EMI sugeriu a gravação Stars On 45, um medley, non stop, com todos os grandes hits da banda. Seguiu-se, "Holliedaze", outro medley, que foi um sucesso, e Graham Nash veio dos USA, para fazer a promoção na televisão. Esta reunião originou o álbum, "What Goes Around", que incluía um pequeno hit com as Supremes "Stop In The Name Of Love".

O álbum foi justificadamente, "malhado" pela crítica, de tão fraco que era. Só entrou nos Tops dos USA por causa do nome de Nash.

Depois disso, os Hollies voltaram ao caminho dos "oldies", até que, em 1988, um spot comercial de cerveja na televisão usou o tema "He Ain't Heavy", e mais uma vez os Hollies voltaram ao topo das listas de vendas pela primeira vez em mais de uma dúzia de anos.

Em 1993, receberam um prémio Ivor Novello, em reconhecimento pela sua contribuição para a música britânica.

Três dos membros originais, o baterista Bobby Elliott, vocalista Allan Clarke e o guitarrista Tony Hicks continuou a actuar como The Hollies até Abril de 2000, quando Clarke anunciou que devido a motivos pessoais, iria aposentar-se da cena musical abandonando o grupo.Foi substituído por Carl Wayne, ex-vocalista dos The Move. Wayne ficou com os Hollies, até á sua morte em Agosto de 2004.

Apesar das mudanças no line-up ao longo dos anos, os Hollies conseguiram sempre produzir e gravar grandes músicas com as suas harmonias, características, a três vozes.

Uma das melhores bandas e das mais bem sucedida desde o seu nascimento, em 1963 até ao novo milénio, comemoraram mais de 35 anos como uma banda de grande qualidade e apurado gosto musical.

Sem comentários: